Estórias Abensonhadas, de Mia Couto

Edição em Pauta COUTO, Mia. Estórias Abensonhadas. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.155 páginas. Segue notas da contra-capa: Depois de quase trinta anos de guerra, Moçambique vive agora um longo período de paz. Nestas Estórias abensonhadas, o premiado escritor Mia Couto [Beira, 1955-] capta um país em transição. Numa prosa poética e carregada das tradiçõesContinuar lendo “Estórias Abensonhadas, de Mia Couto”

Metarrealidades Aporéticas e Literásticas: A Máquina, crônica 5

Dedicado a impressões de N. Y. Eu tenho um severo problema de saturação de informação visual desde dois mil e cinco. Acho que os dezoito anos trazem consigo, misticamente, uma desativação da capacidade cognitiva de filtrar informação visual relevante. Quase entrei num pinel por causa disso à época – por isso e por outras coisasContinuar lendo “Metarrealidades Aporéticas e Literásticas: A Máquina, crônica 5”

Confissões [24]

Eu vi teu rosto, tão linda, em um sonho, carinho de meu coração. Teu rosto, desperto, me causou uma sensação fascinante. Fascinante por ser assustar deveras. Jamais o susto do Horror, extremamente o contrário: é o susto daquele Destino, que não deixa a gente fugir. É aquele susto que persiste, insiste e divaga, por temposContinuar lendo “Confissões [24]”

Minutas de um Executor Oficial

Nota de antecipação: o conto não representa opinião do autor, constituindo-se apenas duma ficção – indesejada, porém necessária – para propósitos que não os literalmente nele explicitados. Nota sobre a nota: parece idiota fazer esse apontamento, mas dado que há ausência de dividir o ficcional de uma vontade de parcela da população atualmente mundo afora,Continuar lendo “Minutas de um Executor Oficial”