Devaneios

A alguém em especial… Abraço pela esquerda

A procura das imagens que sempre expressassem o poder das palavras fomentou meu espírito nos últimos tempos. Espero que a imagem não supere o poder do verbo. Espero que o poder do verbo não supere o afeto.

E espero que meu contrário, meu oposto complementar, esteja diante da escrivaninha, opondo todos os meus diálogos, consagrando todos os meus interditos, e fazendo desta dialética que é a vida uma aventura digna de ser contada para a posteridade.

E espero que ela esteja munida de uma singela felicidade, assim como eu, dos eventos ordinários e corriqueiros da vida, que se apresentam no desabrochar duma flor ou no subir no pé de amora.


Ouvindo... Coldplay: Violet Hill

Essas Mãos…

Num mundo onde as palavras recitadas perderam seu valor, olhou-se um pouco mais abaixo. Em silêncio, se percebeu que havia uma parte do teu corpo amarrada, amordaçada pelos ruídos escabrosos e estúpidos da escória (des)humanista, patriarcal, e agressiva. A desumanidade tomou posse da voz cantada, e o que sobrou foi uma triste e fúnebre elegia, que encontrou eco nas metralhadoras que ecoaram, desde os túmidos campos da Varsóvia aos precários recônditos da Somália. A voz? Coitada dela… Viciada em se manifestar, perdeu seu crédito. O contrato verbal se rompeu. A austeridade física-acústica se dissipou. O mundo quis calar-se, diante de tanta ingerência, malevolência e descrença no que se diz.

E então surgiu um par de mãos. Cândidas. Digo cândidas não no sentido de alvura da pele: podem ser até morenas – pouco me importa os seus tons de pele – mas sim cândidas, limpas das mazelas lúgubres. O que importa nesse momento é que elas se arquitetaram: de forma a assumir a regência dessa orquestra mal-afinada; de parar o motorista de trânsito frustrado que tinha a vontade de atropelar o frágil senhor de idade avançada; de conter as ditas bocas-sujas, que escarnecem clamando simultaneamente por Deus, o Diabo e mil outras entidades divinas que sequer fizeram do verbo audível pelos homens sua língua-mãe; de cessar, em punho de uma bandeira de pano branco, o conflito Israel-Palestina que há muito fazem simples civis sofrer; abaixam as alavancas e cerram as portas da indústria armamentista; acariciam o depressivo e afagam o mal-amado que só queria ser simplesmente correspondido neste mundo…

Os pares de mãos passaram a silenciar o mundo das vozes e imprimiram na linguagem a terceira e quarta dimensão, que ficou esquecida pelo verbo-audível. Elas tomaram conta dos nossos corações e declararam um cessar-fogo das setas malditas que um grito, um berro e um escárnio se propuseram a ensaiar sua aparição egocêntrica e estúpida…

Ah, esses pares de mãos… Eles querem tomar vez, e mesmo o verbo-visual precisa dar espaço a ele. Meus dedos silenciam, para dar espaço ao par de mãos…


Ouvindo... Jethro Tull: With You There To Help Me

Momento Poesia: Intitulável por sua Causa…

Dedicada a alguém que não sei se conheço ou que sei que não conheço


Olhares transpassados sempre em vista
que desvanecem ao passar do tempo:
como podem intuir razão quista
debaixo de inglorioso lamento?

Vislumbres divinos, égide feita
rosáceas plumas conferem ardor
desta queixa insolúvel imperfeita
desata num nó noturno calor.

Concede teu afeto tão glorioso,
a este galante tão mal resolvido
que te quer por singelo desvario?

– Não! Muito antes quero-te tão prestoso:
cante em mim teu verso amado e querido
ora aceito, mas depois contrario…


Ouvindo... Aphrodite’s Child: Such A Funny Night

Momento Poesia

Em Substituição


(…)

Aqui tinha um passado,
terrível,
monótono,
amotinando-se em desavenças pouco…
poéticas

Queda de máscaras:
quais delas? Primeira ou segunda?
terceira? … Enésima! Pouco importa:
manifesto meu descontentamento
sobre meu descontentamento

Cansei das podres letras
que cantam um desconstruído ido negro
dos tempos de outrora…

Olhos rosáceos que são etéreos,
sei que nunca irão me alcançar:
que me importa?
minha angústia sempre se converterá
em matérias-primas mais produtivas e belas,

Como esta.


Ouvindo... The Allman Brothers Band: Trouble No More