Confissões [21]

Amiga, que sempre comigo esteve, não sou mais o mesmo.

O poeta que te cantava com fervor foi aposentado. Dele surge a poesia tão-apenas como negócio, um exercício de erudição, uma tentativa de não se sentir tão qualquer-um.

A reticência também aos poucos será aposentada, sendo a ela delegada apenas o interlúdio do não-dizível, das coisas que todo mundo sabe mas nega saber. Bem digo de você, amiga, que o errado fui eu, exigir-te fidelidade à poesia: você tomou o caminho correto, o da consciência de nossa pequenez como apontadores-de-dedo insatisfeitos com nossos antigos desejos não-realizados. Você fez, amiga, a digna saída, em detrimento à insanidade que perseguiu as penas de cem anos passados.

É doloroso querer ser Dostoievski ou Oblomov em tempos de James, Meyer ou Tate. É muita metafísica para simplórios ouvintes que se desejam iludir em fantasias desvairadas. Fantasias que eu alimentava nos coloridos de um outro ambiente.

Ser privado das benesses da civilização tem suas vantagens. Permite que me veja como irritante para a tola média das gentes que, na nossa infantil vontade de ajudar, queremos que “veja a luz”. Disse, em outras palavras, um filósofo que na nossa ânsia de mostrar a iluminação ao mundo, acabamos nos recobrindo em um véu de ignorância pertinaz. Sonhei, como você sabe, em ser protagonista, ter holofotes apontando para mim a todo instante, mas tal luz me cegaria de imediato – minha queda seria tão instantânea quanto minha ascensão. Hoje, amiga, o backstage é meu amado lar; operar nas surdinas dos acontecimentos, no pano de fundo dos grandes acontecimentos, granjear confiança para ser fiel braço-direito de alguém que realmente brilhe, para que possa sustentá-la em sua queda previsível. Talvez a responsabilidade da frontline não seja pra mim, que sequer fui instigado, por um senso inútil alheio de superproteção, para ser menos ingênuo nos tempos necessários.

Para a posteridade, não espere, amiga minha, palavras de conforto ou de intensa motivação otimista: há quem faça esse papel com tanta propriedade nas igrejas. O mundo, amiga, verdade seja dita, precisa de pessoas lúgubres, funestas, que racionalizem suas frustrações e apontem seus dedos para os nossos engodos de todo dia. A literatura mais prosaica e não-comercial faz isso; a poesia de festivais é uma admiração excusa, digna das reticências… A poesia não se faz mais nos tons harmoniosos de Haydn e Carvaggio, mas sim no cosmopolitismo prático de Warhol e nas tonalidades de Boulez.

Rimas, minha tão ensejada e desejada amiga, são enfeites desnecessários para se cantar o amor pela gramática. Fortes eram, como uma estimada quasi-irmã sempre sustentou com notável convicção, os gregos, que da Retórica faziam a vida cosmopolita.

Voltemos, minha amiga, aos desvelos de Atenas, à remistificação dos costumes e a nossa sujeição aos fatalismos do panteão grego. Pois apesar de decretarmos que nunca fomos gregos, jamais saímos da famigerada Caverna que Platão disse. Prova disso é esse discurso descabido, afetado e tão contraditório, uma prova de que, nesta busca de um novo confissor de mim mesmo, ainda estou infante na minha arte do backstage.

E cantar os amores, minha amiga, outra afetação da qual tu foste vítima, nada mais foi do que uma tentativa de crescer desta virginal infância que, por outros caminhos, se descobre nos tempos recentes. Verdade seja dita, minha amiga, mas enquanto um homem traçar confissões, nada mais elas estarão circunscritas a uma onça de testosterona e de um destino de perpetuação da espécie. Uma ode à Schopenhauer!

O resto é só rima.


Ouvindo... New Order: Blue Monday ’88 Dub [originalmente no tempo de composição]

Em releitura do texto, e como divisor de águas… Ouvindo... Muse: Dead Inside [muuuuuito divisor de águas, nem vos conto…]

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s