Radar Musical: Sessenta e Cinco

Marisa Monte

Infinito Particular

[EMI/Phonomotor, estúdio]

Resenha por Douglas L. Melo

Marisa Monte - Infinito Particular

O momento era das já minhas saudosas idas frequentes a Osasco, estando em ambiente, ainda suburbano de Ibiúna, indo e vindo em razão do meu curso. O que tenho desta época, em termos de lembranças, são as melhores possíveis… Os tempos dos colegas que, assim como eu, podiam dispor do tempo de não-aulas para passear, visitar lugares e ver eventos culturais. O carinho que tenho, refugado, por Osasco à essa época, remete aos cuidados com a música que tive pelas épocas de longa pausa entre faculdades.

Marisa Monte é uma voz terna que me embalou a finesse musical que cultivava pelo período da TV por assinatura e a ávida assistência pela MTV e VH1. Ela, futuramente, seria representativa de uma colega que tenho por muitíssima estima, quase que como por irmã. A suavidade nestes termos, que abaixo se descrevem, se tornam tão bucólicos, capazes de destrinchar o meu, hoje, tão calejado coração, pelos eventos recentes que me fizeram ser descrentes de um futuro mais colorido. Um tom, embora mais pálido, de cor nas músicas desta Musa de cuidado vocal tão esplêndido, espero que sejam o cuidado que necessito pelas ordens do meu dia, tão fatigado pelo já vivido…


Setlist

  1. Infinito particular: a estrutura ambientável da melodia e o contraste poético do lírico revelam “o melhor e o pior” de MM… O aspecto intimista da canção é, deveras, o mais casuístico do que ela se propõe a fazer.
  2. Vilarejo: uma canção para se ouvir na solidão da noite e pensar – por que o futuro não poderia voltar a ter o colorido de tempos passados?
  3. Faixa de destaque Pra ser sincero: a balada romântica… Ah… Essa necessidade tão ternamente melancólica para se falar das coisas do coração. Destaca-se a toada violeira e todo o batuque carinhoso.
  4. Levante: destaque pros metais de sopro, devidamente harmonizados com os vocais, leves e bem cristalinos…
  5. Aquela: um cadin’ cuidadosa com o arranjo… cadin’ bom… E bastante preocupada com uma ludicidade do cancioneiro, a meu ver, confessadamente nordestino.
  6. A primeira pedra: a lição bíblica colocada a foco para  as coisas do coração. Destaque para a estrutura musical, quase que com atmosfera marcial.
  7. O rio: uma música de efeito onomatopeico, um acalanto e uma lírica exemplar – nos sentidos que se possa promover. Bom pra se ler Mia Couto… Combina e muito!
  8. Gerânio: o tema floral, que exige o mais colorido dos nossos pensamentos para a vivência do mundo. O exotismo é o belo pano de fundo entregue nesse pequeno epitalâmio para o cotidiano.
  9. Quem foi: o paradoxo do cotidiano, que remete ao cancioneiro da MPB mais antigo – e estranhamente saudoso.
  10. Pernambucobucolismo: uma surpresa para a sequência do álbum… A estrutura ocultista e futurista melódica cria um ambiente ímpar, digno de se ouvir com mais cautela, antes de se nominar.
  11. Aconteceu: o princípio lembra um clássico Noel Rosa… A cadência misteriosa da música deixa um tema tão melancólico mais suportável, mais tão-comum, numa letra com ares de minimalista.
  12. Até parece: o sucesso intimista de música-dor-de-coração tem essa cara…
  13. Pelo tempo que durar: pianinho para uma música com cara de fim-de-noite… Está acabando os quase quarenta minutos de uma leitura muito pessoal do modus operandi de se fazer música… Parece ser uma profunda pena a coisa encerrar assim, humanamente sublime.

Acalanto bem terno…

Aquele momento que você exige se reestruturar para o futuro pede, dentre o universo de canções próprias para o tema, esta obra-prima.

EstrelaEstrelaEstrelaEstrelaEstrela


Ouvindo... Marisa Monte: Aquela

Na próxima oportunidade, a dobradinha de MM com o anteparo complementar musical dela…

Anúncios