A Revolução dos Bichos

Erros do mundo: como repará-los?
Porventura pensou para quem isso perguntas?

A mim? Artífice majestoso,
da triunfante lábia mágica,
o evento, antes ordinário
agora novas feições adquire;
não mais o tempo admite
os ratos de porões acuados,
os sapos brejeiros às cegas com msoquitos
e as raposas soturnas covardes…

Os tempos são outros; fui passado,
leões à caça se põem imponentes,
águias e falcões se visam em voos,
e os tigres, contumazes guerreiros
condensam, diante dos cascos de vídea
das rochas que as noturnas
criaturas delas se apoderam.

Eu? Pena – literalmente falando –
vi a ferrugem da Máquina
e me portei feito galinha.


Email Em 09 de julho de 2013

 Ouvindo... Limp Bizkit: Lonely World

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: