Mais uma ode –ou– Poema da Saciedade

Email À M.
ao som de Beatles


Não penso, no avesso
o que teus olhos em mim dizer

Agora você brinca comigo
e acende o selvagem dentro de mim

Não espere incólume
te mostrarei todo o meu furor

Te afagarei em carícias
e te oferecerei odores de amor

Um amor envolvente, inebriante
que sequer negar será capaz

Vai pedir a mim um repeteco
e se insaciar de pedir mais

Não verá outro lugar pra ir
e outros afagos quererá não mais

Vide, ó alva, ternura das terras rojas
ahora que tu fizestes em mí

Num parco espanhol que me domina
o teu afago espraia compreensão

E não espera maior intento
desejos minúcias portentos prazeres

Te dou uma recompensa
se pretender me seguir como te sigo

E quero num poema novo
poder te cantar diferente

Poesia concreta-quente
de carne e osso se manifeste

E acalenta esse martírio
que envolve minha face

E me conduza a novos ares
sim, te peço sem nenhum estertor

Luz de Aurora, rompante extenuante
faz de mim um monumento de ode

À tua beleza que gentilmente apresenta
par a par nos versos que contribua

Par a par apresenta e afugenta
o agouro que comigo enfrenta

E viremos o mundo do avesso.


Ouvindo... Beatles: Being For The Benefit Of Mr. Kite!

Bem um Rolling Stones seria mais conveniente pra selvagizar esse fortuito.

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: