Projeção

Ligeiro, percorre a distância até o túnel,
entorno que se deriva munido a fundo
o fundo do desejo ampliado a som mais crível
num ambiente predisposto ao imundo.

Qual prece! Qual bala ao alto
se faz a curvatura da Máquina do Mundo
precede a presença ampla difusa ao contralto
num recinto de orquestra mudo.

Precede! Clama Calíope dos tempos modernos
tua canção de rogo, arrebata desde os ínferos
dos infernos às pombas do céu a trompa
numa canção que resume tudo.

E prepara, no banquete dos aedos que anônimos
vagam nas mais diversas ciências…
Eu, mecenas? Se te apraz a embalagem
que seja: faça-se a sua imagem
nesta taça onde projeta-se o fundo.

O caldo das vivências, o triunfo
a canção-presença-existência-come-tudo
a consciência, farta do ócio de Tartufo
pede uma nova ode, erudita, codificada
neste códice-vórtice de objeto profundo.

… o sonho termina e se projeta,
amplifica e venera involuntário
quem quer que diga o contrário
que experimente brincar com as palavras
e com esse ludismo que eu comungo.


Ouvindo... Yes: Shoot High, Aim Low

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: