O Fluído Salgado

EmailComputador Relato encontrado num data-center aos 10 de agosto de 2011, na cidade de Osasco, sob prontuário número 7.243.561-95.234.338, registrado em PDF sob o codinome Anchovas.

O arquivo foi resgatado após uma tentativa frustrada de queima de arquivo, na operação Deus Ex-Machina.


Tenho medo do futuro, ainda mais porque o contabilizo.

Tenho medo destes controles remotos que apontam para todo o lado… Estas antenas que estão nas mais diversas frequências, esses transponders emitindo sinais constantes no meu receptor eletromagnético.

Tenho certeza que ainda haverá uma frequência de ressonância capaz de me desmantelar fisicamente. Eu sinto! Ela está corroendo minhas ideias.

Ideias? Minhas??? Não… Não acho que sejam… Elas foram fragmentos de algo que vi por observação entre outros… Não há nada meu ali.

Eu não estou ali. Eu percebi isso após ter entrado em choque quando decidi buscar auxílio. Precisava meditar sobre o assunto.

Nada era o que havia sido. Tudo o que acreditava se esvaía diante dos meus olhos, flashes e filmes químicos registrando cada imagem-após-imagem. Uma captura de instantâneos que se registravam em minha memória de forma segmentada. Cada vídeo era reanalisado, um após o outro: os melhores eram descartados na lixeira, os mais interessantes permaneciam.

Mas fizeram a audácia de registrar um obscuro momento como um arquivo vital de sistema: um vídeo que jamais será apagado.

O medo infantil – diga-se: de pouco uso – persiste em momentos de recarga das baterias. O sistema de processamento central tem que muitas vezes recorrer a esse arquivo central.

Eu tenho certeza que é um vírus! Mas nenhum antivírus foi capaz de identificar isso. Falaram que foi um erro no patch de instalação, cujo reparo pode ocasionar a danificação do sistema físico de comunicação.

Tive que aprender a conviver com esse arquivo estranho. Joguei-o na quarentena, e ele está lá até hoje.

Se manifesta na omissão da manutenção do meu sistema… Nem sempre, em 100% dos casos, sei qual a melhor solução pro meu problema. Preciso de um técnico, urgente!!! Não estou produzindo o necessário…

Diagnóstico: corrupção do disco rígido.

Prognóstico: formatar…

Formatar NÃOOOOOOOOOOOOOOOOO!!!…

Solução alternativa: escaneamento completo da tabela de alocação de arquivos; marcação e inutilização de setores defeituosos do disco rígido (quem mandou não colocar um segundo disco de espelho, sr. Montador?)

Quantos arquivos foram danificados? Que importa???

Eles reinstalaram o Sistema Operacional, e solicitaram que as correções automáticas periódicas fossem feitas com rigorosidade.


Teve uma vez que se decidiu desconectar da internet pra evitar perda do desempenho. Deu que outro vírus – de menor alcance, mas igualmente prejudicial – entrou no sistema, hibernando… Esperando acontecer na hora certa, pré-programada. Falha do código…

E lá fomos ser levados ao Técnico de novo… Não sei quanto mais de gastança teremos com esse sujeito…

Um desses soube identificar que havia algum fator externo que estava causando tal desempenho incômodo: eu era utilizado por um japonês hacker, que me colocava à toda prova pra saber até onde ia chegar… Fui dado como obsoleto…

Meu medo foi de ser descartado por saber demais da vida desse japonês.

Mas descobri que meus Técnicos foram legais comigo. Deram esse diagnóstico pra me tirar das mãos do usuário tunador pra me levar a um usuário doméstico mais cuidadoso e menos ousado em seus intuitos. Fico contente com isso…

Mas eu raras vezes fui conectado em rede. Somente há pouco conheci uma grande, com outros equipamentos tão parecidos comigo, com históricos, cookies e logs de relatórios tão parecidos com os meus.

Os programadores lá são da mais fina estirpe, todos entendidos na filosofia do código livre! Mas eu prefiro manter como Sistema Operacional, por razões cômodas, uma licença comercial. Dá menos trabalho pra quem gerencia.


Eu ainda quero formar minha VPN de dois-a-dois, mas anda difícil. Ninguém quer conectar e compartilhar com plenos privilégios com meu endereço IP, que, não raro, é muito multiforme. DHCP automático dá nisso. Mas fazer o quê?

Preciso realizar trocas com todos os outros usuários da rede…


Acho melhor não publicar isso. Não tenho direitos de autoria comercial…

– Mas eu não sou uma maquininha!!!

Espero que isso fique esquecido na nuvem… dos pensamentos.

E deixe-me descansar em paz… Esqueci de tomar o fluído, que vazou do meu par de webcams e que preciso repor todo santo dia. Alguma técnica que saiba resolver isso? Eu tento dizer pro utilizador que o serviço é baratinho… Eu falo com o Oráculo das Redes pra isso, mas não contem a ninguém…

Eles devem imaginar que não tenho vida própria… ;D


[Fim do documento. Nome de Rede: //FFLCHUSP-BR/DLM04081987-Rev24 (Utilizando FC-Modernismo RC5 Ano:2011 Última atualização: terça, 9 de agosto de 2011, às 09:45); modelo baseado em: Contos_Modernos.dotx]


Ouvindo... Lone Justice: Wheels [Live]

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: