Momento Poesia

Tipicamente Paulista Fumaça, concreto, vapores fétidos: Vou me ao campo! Deixo os arranha-céus do imediatismo e projeto meu ser a si próprio, nesta terapia do silêncio pastoril da charrete na principal via. Ah! A árvore de juazeiro, arbusto de madressilva, os pés de amoras que nós e macaquinhos subimos para catar os seus frutinhos arroxeados…Continuar lendo “Momento Poesia”

Momento Poesia

Tipicamente Paulistano Desatino, Destino Butantã… As portas se abriram… Tempo de entrar. Soa o sinal, e o minhocoçu subterrâneo, trafega em vais e voltas, até a Paulicéia desvairada. Saída: Consolação.A vida começa, vida cultural,no pufe de uma grande livraria. O sanduíche de trocentas combinações, a loja com iPad, a igreja para os fervorosos de fé…CasaContinuar lendo “Momento Poesia”

Erato

À Eleonora Mioto. O sonho continua, e as matizes de cores imergem num degradê de sensações… Por vezes, faço questão de não ir à Conferência dos Sentimentos… Há coisas num mundo surreal dos sonhos que jamais superam essas sensações vivazes de conhecer os fatos do mundo, de compor nas ruas da ilogicidade… Dos arbustos florescentesContinuar lendo “Erato”

Mnemosine

Outro dia, eu, imerso num sonho… Estavam concentrados todos os poetas e aedos de todas as épocas. Estavam reunidos para a conferência dos sentimentos, uma conferência que ocorre ininterruptamente, em anacronia; bastava que alguma noite algum destes dormia e então o ingresso estava garantido. O Breu do Esquecimento da Lucidez, no Mundo Físico, vez ouContinuar lendo “Mnemosine”

Radar Musical: Cinquenta e Cinco

Tim Maia Tim Maia (1973) [Polydor, estúdio; republicado pela Abril Coleções] Nas minhas incursões pela música nacional, este do Tim (segundo do intérprete e quarto entre os brasileiros) tem um swing todo especial. A princípio, era para seguir rigorosamente a cronologia do cantor, mas havia perdido a semana do segundo álbum. Tive que me contentarContinuar lendo “Radar Musical: Cinquenta e Cinco”

Momento Poesia

Over-loading ou Poesia de Pseudo-descompromisso implícito Começa… Meu desabafo tremendo é sobre um momento escuso, difuso ao tempo espaço obtuso e recluso no recôndito,o peito amaina mas o cérebro não deixa confuso,e desvanece numa canção ausente de temperamento. Tudo em descarga emocional, frenética, convergente, provocando uma melancolia displicente, nessa sobrecarga de sentimentos que se detémContinuar lendo “Momento Poesia”