Momento Poesia

Triunvirato cósmico

Que força é essa? Energia que pulsa aos excessos em nossas veias, e que fagulha num ignóbil instante em alguns versos simples, porém expressivos. A quem convir leia, e sinta-se à vontade, como em sua casa.

(Dedicado a uma amiga…)


 

Jovem de voz cristal que me refiro,
qual antro de virtude olhos anseia,
verdes salinos referem comigo,
se mostram dignos poesia e meia
encontrem nos meus de virtude amigo,
selvagem antro, imagem que permeia
linguagem não há que despeça contente
meu enfado semblante igual suma gente.

 

Que sua imagem, juro, pretensão
querer eu a possuir? És impossível
neste intento prosseguir, há função
melhor propor assim tão quanto crível
quanto incrível obter-te concessão
do seu olhar bem e falar mais plausível
signos irresolvidos em momento
que, aflito, proponho antes teu contento.

Canto-te, a extremos passos belos simples
com posse de Luso Aedo este canto
trilogia divinal, odes vintes
e transcendente cósmico; entretanto
as amarras ‘qui dispostas, requintes
pedem que te diga prosaico encanto:
Citereia, Musa-Altiva à raiz –
desça do Olimpo e faça-me Feliz!


Ouvindo... The Pretenders: Middle Of The Road

Smiley piscando De tão perfeito esse poema, já ganhou espaço na USPianeia.

Humildade rules hehehe Smiley mostrando a língua

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

Um comentário em “Momento Poesia

Comentários encerrados.

%d blogueiros gostam disto: