Testamento Artístico

Carta aos meus descendentes


Eu, um singelo e simples poeta, sem posse das minhas faculdades mentais, mas que mesmo assim propõe-se a fazer este testamento, comunica à sua fiel tabeliã, a Musa, o ensejo de deixar seus precários pertences, acumulados em vida e no qual seria desperdício a Terra vir a tragar.

À minha esposa, carinho e paixão da minha vida, deixo todo o meu agradecimento, todas as minhas desculpas e perdões, todos os meus pesares: para que ela não se esqueça de mim, ao me esquecer com outro que virá a possui-la por mulher, visto que feliz criatura que com ela fica não há de se arrepender. Arrependido ficarei eu de não compor tantos poemas quanto foram necessários para exaltar toda a sua beleza.

A propósito, estes, os míseros e poucos que foram feitos, deixo a meus filhos, para contar-lhes, a todo o momento que eles olharem para aquele monte de papel amarelado, a cheiro de canela mofada e recobertos de poeira, quem foi o pai deles: um guerreiro das palavras tão inefáveis, intocáveis, que foram desbrenhadas nos matagais dicionarísticos desta nossa Língua tão amada.

Aos meus amigos, deixo meus elogios e minhas homenagens, mesmo que não as mereçam tanto quanto eu – pois que eles não se martirizaram tanto a ponto de serem condecorados como eu me permiti ser nos meus tenros tempos de efervescência.

À minha sogra, deixo todos os meus troféus em concursos de declamação e de composição poética: foram as ranhetices dela e alguns vasos quebrados de sua casa que me incentivaram a melhorar meu arsenal poético (por favor, querida, não os use pra plantar seus xaxins).

E aos meus inimigos, entrego-lhes a vida, porque à ela será mais proveitosa na mão deles.

Só não deixo nada para mim mesmo… Nem mesmo a recompensa eterna. Quero mais é descansar de mim…


Terra Preta Piemontense é aluno de letras pela FFLCH – USP e não convalesce de moléstias. Este testamento é apenas literário.

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: