Causos de Longinqual de Preta Terra

A Manifestação do Século

Desencadeou-se um protesto sem precedentes na pacata cidade quando descobriu-se que o atual prefeito Jarbas Magalhães poderia estar envolvido na morte de um opositor de eleição e presidente da Associação de Bochas, Dionísio Apolo.


A vida está sendo muito prodigiosa para Bernard Foller. Recém-saído da Faculdade de Fotojornalismo que fez lá nas Cidades Miúdas, finalmente volta à sua cidade natal. Não que ele não gostasse dos agitos daquele discreto local. Gostava, sim. Mas as lembranças de infância o trouxeram de volta ao aconchego do Bairro das Pederneiras, vizinho das matas exuberantes ao sul da cidade.

Neste local, a presença de hispânicos – ele sendo um – é grande. Todos os de sua geração enveredaram para a área de humanidades. A maioria, já de volta, fervia um burburinho, que culminava nas recentes denúncias que desvelaram um capanga que confessou executar dois assassinatos a mando do atual prefeito, e que está vinculado a uma possível morte e queima de arquivo vinculado ao coronel Dionísio. Uma exumação de um corpo na região da mata levou a Polícia a crer que o túmulo de Apolo fora violado. Descobriram-se traços de envenenamento no corpo do presidente da Associação.

Jarbas, que já detinha pouco respaldo devido a casos de ingerência frente às classes pensantes do município, ganhou menos prestígio após tanta denúncia.

E, levados por jovens como a nossa amiga filósofa do Centro Integrado de Faculdades Longinquenses, a população lotou a praça da prefeitura num dia emblemático para expressar seu desprezo.

Chamar forças de segurança? Nem pensar… Jarbas gozava de uma pe´ssima imagem. Usar a força seria muito prejudicial para sua imagem e para a Associação Comercial, que tomava até então apoio irrestrito às decisões do prefeito que vetaram a implantação de uma nova faculdade de humanidades, em favor de uma Escola Técnica. O município estava de mãos amarradas.

Com muitos dos eventos do calendário tradicional Longinquense adiados, a adesão das classes artísticas foi imediata. A assessoria da prefeitura, numa jogada obscura, buscou uma equipe de fotógrafos para tentar desbancar ante a imensa população a imagem dos manifestantes, ainda com o apoio da imprensa nacional.

Bernard via em seu fotojornalismo uma técnica suficiente poderosa para desbancar esse disparate, fotografando o movimento pacífico, que respeitava os taxistas, motoristas, as escolas e outras repartições públicas, em vez dos fotógrafos importados, que faziam se valer dos momentos da presença da polícia e da reação natural dos manifestantes pela autodefesa como a imagem-símbolo dos movimentos.

[sim, haviam algumas dissidências baderneiras, mas essas, na verdade, eram simpatizantes do atual prefeito, tentando desmantelar o movimento original]

As consequências dessa crise administrativa local será revelada aos poucos nos próximos capítulos.


Jethro Tull: Occasional Demons

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: