Causos de Longinqual de Preta Terra

Filósofa Pop Notável ou A Integração Acadêmica

Em Longinqual há um imenso Parque Universitário nos limiares da região central. Nele, há a Faculdade de Filosofia Longinquense, a Universidade das Ciências Exatas Longinquense, o Centro Universitário de História e Arqueologia e a Faculdade de Medicina Rural Longinquense. Todas elas, entre si, disputam a atenção do público recém-formado do Ensino Básico e vivem em rixas constantes entre si. Até entrar nos domínios da FFLon uma notável criatura.


Este humilde relator esteve distante de sua terra por motivos diversos: as Cidades Miúdas lhe ofereceram cursos de aprimoramento no âmibto do jornalismo biográfico, fato que fez com que este se distanciasse de sua querida morada do Vilarejo dos Guarapitangas, ao leste da localidade. Confesso que senti muitas saudades dos meus três bilhões de conterrâneos… Apesar de todo o clima de guerrilha que circunda peremptoriamente a região central de Longinqual. Jarbas Magalhães, ainda não só teve a pachorra de mudar de partido, como também é acusado de ser mandante da morte de Dionísio Apolo. Um caso que intriga a força policial local.

Os Festivais de Música ao Ar Livre foram cancelados neste último ano… Fiquei muito triste com isso…

Personalidades como Drica deixaram a cidade por não suportar o clima tenso que pairava sobre o ambiente. A produção cultural deu uma bela estagnada; a universitária e a ativista política suprimiram – em parte – essa carência.

Tudo começou pela ruptura das rixas entre as quatro instituições através de um trabalho populista desempenhado por Samara Francine Seissheuer, aluna ingressante em 2008 no curso de Filosofia da FFLon.

Até aquela época, as instituições só se conversavam através dos burocráticos setores de Diretorias e Reitorias. Os alunos, no entanto, jamais se conheciam, salvo caso raro de alguns eventos na zona central. O contato era nulo.

Samara Francine, vendo a distância que haviam entre tais instituições, deicidu por a mão na massa (ou melhor, na picareta): junto com três colegas, preparou um evento festivo na Filosofia, “restrito”, como haiva declarado à Diretoria, para as turmas de seu curso. No entanto, num dado momento da noite, estes colegas derrocaram um pedaço de muro que dava a uma outra instituição, e com o apoio desta, enveredaram num caminho de árvores até as outras duas: formaram o então Corredor da União. Notadamente, os alunos do horário haviam debandado de suas aulas regulares naquele dia para averiguar o furdunço na FFLon.

Qual, no entanto, foi a surpresa dos outros alunos descobrirem que os filósofos não eram aqueles sujeitos chatos e marginalizados que suas mentes construíam no Ensino Básico? [Obviamente, o alto índice de mulheres na FFLon foi crucial para eles perceberem que Filosofia poderia gerar, pelo menos, em Longinqual, um seleto grupo de intelectuais que tinham graça, bom humor, eram descolados, e no caso delas, graciosas e belas]

É devido que todo o crédito daquele ato insano foi dado à Samara, a aluna mais popular naquela temporada. Como de praxe [isso não muda desde às Cidades Miúdas], foi impugnado um ato administrativo de suspensão sobre Samara e seus comparsas de plano…

Foi a primeira manifestação então que se deu por uma causa universitária: uma causa babaca, pr’os cidadãos; uma causa inovadora para os universitários, até então – o retorno de Samara, uma vez que ela foi designada pelos colegas como “ré primária inocentada” por ter gerado o primeiro passo para algo muito inovador ali – a integração das instituições.

O fato de fechar o comércio local, bloquear as vias principais de saída da cidade – com a ajuda dos taxistas ainda [sujeitos camaradas, não?] – e impedir o trabalho dos funcionários públicos paralisou nosso modesto vilarejo e chamou a atenção da imprensa, que por sorte, uma sorte casual, promoveu um debate favorável à agregação das unidades universitárias.

Após três dias tensos, muitos feridos pelo caminho e o descrédito das ações de Jarbas perante o Poder Público, a Faculdade de Filosofia Longinquense preteriu sua retratação e decidiu por reintegrar Samara à comunidade acadêmica. Isso depois de uma séria reunião com o Conselho Diretor que – incrivelmente! – era favorável há muito em criar um pólo integrador.

Com os olhares do mundo, viu-se conjugar todos os passos que estão sendo dados para, em breve, as instituições serem agregadas em uma mega-unidade, de deixar uma outra Universidade, lá nas Cidades Miúdas, com inveja: a UIL, Universidade Integrada Longinquense, pretende ser a maior instituição privada de ensino superior da região, e agregará em seus quadros mais cursos e uma estimativa de comprar terras do Distrito Industrial para construir as instalaçãoes das IEEBs, derrubar os muros restantes das existentes e propor um modelo de integração Universitária digno de abrigar até 880 mil alunos ao ano!!!

Tudo devido a um esforço de uma jovem ousada, que só queria mostrar pro pessoal que Filosofar – pelo menos em Longinqual – gera excelentes ideias….


Todos os fatos relatados em Causos de Longinqual de Preta Terra são fictícios. Quais semelhanças em fatos reais futuros ou passados, será ou mera coincidência ou uma notável inspiração…

Quem dera se na real tudo fosse como essa crônica…


Ouvindo... Madonna: Jump

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: