Momento Poesia

O Cerne


Dito verme,
O cerne literário recebe,
Um modesto usuário,
A roedor classificado.

Buscando a atenção, pretere,
Nas palavras da intersubjetividade,
Nos conceitos pedagógicos e na Beatricidade,
O Quental, Antero antes que se sugere.

Endividado com seu mental aspecto,
O camundongo, submundo, em protesto,
Busca seu espaço numa luz, distinto:
A luz da face humana do Iluminismo.

Renascentista, compondo em processo,
Absorve palavras, converte em versos,
As aspirações acadêmicas que se vislumbram,
Num centro frenético, onde mentes se agrupam.

Dito verme,
Um modesto usuário,
O cerne literário recebe,
A roedor classificado.


Ouvindo... J.M. HARMONY: Karine (Tropikalambiance Radio | Hosted by www.cyber-streaming.com)

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: