Radar Musical: Quarenta e Quatro

Queen - Greatest Hits Vol. 2 Queen

Greatest Hits Vol. 2

[EMI, coletânea]


bandas ímpares na história do Rock. Seja pela invenção de um gênero, por lançar um novo conceito em instrumentalidade, pelo vestuário, ou simplesmente pela personalidade distinta – caso de nossa banda em questão. – Levando em consideração todos os fatores dantes apresentados, convém conferir que haviam bandas nas quais devíamos investir em ter no nosso rol caseiro de audioteca.

Tratar de Queen é enveredar-se no mais incrível, alegre e simpática faceta do Rock. A sonoridade nada obscura, as notas contentes, o contexto upbeat. Tudo contribui para formar uma banda cujas canções possam fazer nossos dias mais felizes.

A ocasião, diferentemente de outras, de aquisição do álbum em questão, foi na região do Tamboré, na circunvizinhança daquela época. E para aquelas épocas, tornava-se mais complicado adquirir os álbuns que sempre caíam no gosto pessoal.

Setlist

  1. A Kind Of Magic: como já dito, começando com plena alegria. É um tipo de mágica…
  2. Under Pressure [with David Bowie]: agora podemos finalmente falar desta pérola colaborativa. Uma canção grandiosa, recheada de feelin’, com instrumentalidade sempre evidente, com tudo no lugar.
  3. Radio Ga Ga: uma prova que música eletrônica soa bem com Queen.
  4. I Want It All: vocalização + instrumental hard rock = concertos para a juventude moderna.
  5. I Want To Break Free: a canção paródia – dá pra entender apenas pelo desleixo do vocal. Entenda-se melhor pelo clipe, coisa pela qual nunca mais pôde ser presenciada lá fora até o The Darkness.
  6. Faixa de destaque Innuendo: a mais densa e musicalmente inundada de mistério dentre todas as do álbum. Perfeita para compor ambiente musical numa opereta.
  7. It’s a Hard Life: uma lembrança dos tempos clássicos do princípio da banda.
  8. Breakthru: cadência frenética, toada alta – uma música bem ao estilo Queen de ser (e principalmente de Freddie Mercury).
  9. Who Wants to Live Forever: a canção-símbolo da marca indelével que Freddie Mercury deixou neste mundo – tocante.
  10. Headlong: outro encontro entre as tendências pop e a musicalidade hard rock. Encontro interessante!
  11. The Miracle: a instrumentalidade ímpar fornece um ar diferenciado para a canção.
  12. I’m Going Slightly Mad: outra na linha das operetas modernas, mostrando que Freddie sabe colocar bem sua voz.
  13. The Invisible Man: a mais frenética de todas, a mais despojada e a mais enfeitada. Um prenúncio dos tempos modernos de Dance. Sem falar nos solos de guitarra…
  14. Hammer to Fall: mais um lance de sucesso de guitarras (desculpe Freddie, mas Brian May também precisa da sua vez).
  15. Friends Will Be Friends: ah… a amizade é uma coisa tão linda, segundo o sr. Mercury.
  16. The Show Must Go On: uma canção que eu – modesto crítico – dedico aos remanescentes do Queen e a outras bandas cujos caminhos foram interrompidos por eventualidades da vida.
  17. One Vision: efeitos de voz são a única coisa que diferenciam esta canção. Não que seja ruim, mas talvez devesse existir alguma das anteriores que encerrasse melhor este álbum com categoria.

Freddie Mercury & cia. são os caras!

E não se fala mais nisso. No entanto, o velho desconto de coletânea…

starstarstarstar e 1/2


Technorati Marcas: ,,,

Ouvindo... Queen: Who Wants to Live Forever

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s