Radar Musical: Quarenta e Três

Led Zeppelin - You Shook Me Led Zeppelin

You Shook Me

[Swan Song, coletânea não-oficial]


E há também certas bandas cujo nome e certas canções já são motivos suficientes por si só. Ainda nesse momento, as aquisições eram mensais, e sempre eram precedidas de uma situação não tão conveniente: consultas médicas.

Os dias estavam se aprumando. As impressões que eram acometidas em mim acerca do mundo que me rodeia estavam efetivamente deixando a minha presença. Mas certas coisas de deixar a pulga atrás da orelha ainda persistiam…

Importa informar que a coletânea adquirida, apesar da qualidade do papel cuja arte foi impressa, que era superior, a arte em si deixou muito a desejar. Mas importava o conteúdo. No entanto, como se verá, existem algumas coisas a serem observadas, que deixarei para comentar oportunamente em tempo.

Setlist

  1. Immigrant Song: evoca logo de início o espírito selvagem de Hard Rock primitivo da banda. Um bom começo, e pode-se arriscar: até dançante.
  2. Faixa de destaque Heartbreaker: a base musical é perfeita – e as pausas dão mais ênfase ao conjunto.
  3. Black Dog: que voz perniciosa! Que soar vocal melódico tão vívido!
  4. Kashmir: talvez a canção mais misteriosa no conjunto, e também a mais densa.
  5. Dazed And Confuzed: acompanhando a seqüência da anterior, mas mais tenebrosa e marcante.
  6. Rock And Roll: a ligação fundamental da então nova vanguarda sonora com as origens dos fundamentos do Rock, e a voz de Plant, inconfundível.
  7. You Shook Me: uma comprovação – Blues e Hard Rock são irmãos, e esta música é a constatação deste fato.
  8. Whole Lotta Love: psicodelia? Não! Insanidade seca, mesmo!
  9. Going to California: uma toada acústica direciona a atenção da coletânea para outra roupagem musical bastante distinta, mas ainda experimentando os mesmos padrões de sempre.
  10. The Song Remains the Same: frenética e com um leve toque de grandiosidade.
  11. Good Time Bad Times: o plano de fundo fornecido pela percussão tribal traz um diferencial a uma canção nem tão Hard Rock assim.
  12. Stairway to Heaven: uma obra-prima do século que passou – uma crescente suíte digna de encerrar qualquer coletânea da banda. Começa com um singelo acústico e vai ganhando formato, conforme vai avançando. Mas…
  13. Black Dog (Versão Acústica): que é isso? Uma furada! – não acredito na existência de uma versão acústica dessa música, podendo ser ela muito bem uma montagem. Não encaixa nem no padrão do arranjo da versão elétrica. Merece ser ignorada!
  14. Whole Lotta Love (Versão Acústica): furada maior ainda! Isso com certeza não é a banda. Ignoremos esta também!
  15. All My Love (Instrumental Acústico): novo furo – e muito prejuízo contabilizado no fim das contas – custava colocar a versão natural de estúdio, comprovadamente da banda?

Foi tão ruim assim?

O final pesou muito. smile_sad

starstarstar


Technorati Marcas: ,,,

Ouvindo... Led Zeppelin: Black Dog

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s