Radar Musical: Trinta e Três

Aerosmith - Greatest Hits Aerosmith

Aerosmith’s Greatest Hits 1973 – 1988

[Columbia, coletânea]


Esta não era propriamente a aquisição que fiz em conjunto com a anterior. Na realidade, tinha sido o clássico Hotel California dos Eagles em um sebo de usados, mas que no dia seguinte me senti obrigado a trocar, pois o CD pipocava. E, como o álbum em questão dos Eagles era outra cobiça minha, decidi-me por adquirir um novíssimo, conjuntamente com essa troca. Assim, por considerações, este álbum aqui vêm de antemão por ser uma compensação pela troca.

Já, nessa época, a saber, cuidava-me de saber do princípio das atividades na faculdade, à qual por mérito de classificação havia recebido um benefício. Já me preparava para deixar o meio industrial. Uma decisão saudável para que eu não absorvesse ojeriza do ambiente profissional – o qual, na realidade, não empenhei esforço para me acostumar.

Custa, também, muito antes das costumeiras aquisições de álbum, constar que já tive uma senhora prévia audição desse álbum em questão, por empréstimo de um amigo dos anos prateados de escola. Álbum do qual fiz muito gosto em ter.

Setlist

  1. Drean On: apesar da mensagem ser positiva, o clima da canção é tão sombrio e melancólico…
  2. Mama Kin: cadência rápida, nua e crua, como um bom Hard Rock veranil sugere.
  3. Same Old Song And Dance: ah… Os toques de Blues
  4. Seasons Of Wither: a leveza de uma balada que nunca cai num lugar-comum.
  5. Sweet Emotion: a base bem colocada, os solos não se sobressaem, o vocal bem aninhado… Nada muito de novo sob o sol…
  6. Walk This Way: as sacadas sacanas do Blues que remontam os fins dos quarenta e início dos cinquenta.
  7. Big Ten-Inch Record: a potência vocal e os metais de sopro confrem um clima bacana de Jazz.
  8. Last Child: os solos são um incidental destaque. A colocação vocal um intencional objetivo.
  9. Back In The Saddle: até aqui, a que teve maiores pretensões de ser um Metal.
  10. Draw The Line: animação…. Mas até aqui, nada de muito diferente do que já foi visto, exceto pela evolução vocal.
  11. Faixa de destaque Kings And Queens: fosse um pouco mais grave nas linhas de baixo, seria um perfeito metal, mas quebra galho como uma boa canção expurga-males.
  12. Come Together: uma releitura conveniente de um clássico dos Beatles [alguém lembra do comercial de margarina?].
  13. Remember (Walking In The Sand): segue a linha de Dream On e Kings and Queens no princípio; mas ganha propriedade como uma canção instigante nos trechos do refrão. E assim fica se alternando…
  14. Lightning Strikes: finalmente! Linhas de base e de guitarra que trazem genuinamente uma canção Hard Rock, com direito à performance vocal de Tyler ao máximo.
  15. Chip Away The Stone: trovadorismo nas linhas mais Hardies, soando a um Country.
  16. Sweet Emotion (1991 Thoener Remix): a 5ª, mais alguns experimentalismos de mesa de som sintetizados…
  17. One Way Street (Live): uma energia maior parece engrandecer as apresentações ao vivo – o público. E toda a performance vocal arranhada confere um feelin’ gigante para a música.

"Maneiro…"

Seleção bem colocada. Cada coisa colocada em seu lugar, sem que o produto final fique maçante, mas…

starstarstar e 1/2


Technorati Marcas: ,,

Ouvindo... Aerosmith: Sweet Emotion (1991 Thoener Remix)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s