Radar Musical: Vinte e Quatro

Stone Temple Pilots - Tiny Music Stone Temple Pilots

Tiny Music… Songs From The Vatican Gift Shop

[Atlantic, estúdio]


Como já foi dito em outras oportunidades, há álbuns que você compra pelo conjunto. Outros, pelas músicas. Outros ainda, por uma ou duas em específico. E alguns só pela arte visual. Este foi um exemplo deste último motivo, e a imagem aí em cima diz tudo. Uma banhista bonita e um colorido fenomenal em toda a capa. Mas não se engane: essa arte bonita esconde um pôster de nove quadros, do qual a composição oferece uma ingrata surpresa. A saber qual é? Bem, essa deixo para quem adquirir o álbum também.

Este, ao lado do álbum de estréia do Mudhoney, compôs-se da maior cobiça fonográfica de pessoa que vos comenta, que sempre visitava determinada loja em Osasco, para saber se o produto ainda estava lá à venda.

Uma coisa ainda interessante é que o álbum em questão, mesmo após a aquisição, ainda custei, voluntariamente alguns dias a abrir. O motivo: havia uma amiga de tempos de fins de escola que amava a banda. Ofereci a possibilidade de trocar com ela este álbum por outro de cunho mais raro que só encontrava, a duras penas e em São Paulo – a saber, uma coletânea, ou o clássico álbum His ‘n’ Hers, do Pulp – , mas a pequena [modo de dizer] não teve essa possibilidade. Então me senti no direito de abrir e apreciar o trabalho.

E, quem diria, iria trocar um trabalho de alta categoria, que iria além de uma simples capinha bonitinha? Apesar do STP não ser uma das minhas prediletas, as ocasiões dos rótulos [uma longa história que envolve Pearl Jam, críticos, uma canção em específico e muita discórdia] não permitiam que esta passasse em branco no meu conceito. O resultado? Veremos a seguir.

Setlist

  1. Press Play: um bom instrumental que lembra mais uma música ambiente para elevador.
  2. Pop’s Love Suicide: uma canção interessante, que inicia o álbum sem colocar toda a capacidade da banda logo no início.
  3. Tumble In The Rough: um peso bem colocado, com o contrapeso da leveza.
  4. Big Bang Baby: a leveza bem colocada, com o contrapeso do peso instrumental.
  5. Lady Picture Show: algo mais romântico, mais voltado para o pop. O que não faz o conjunto perder a qualidade.
  6. Faixa de destaque And So I Know: ainda mais romântica, mais leve e, sobretudo, para se envolver.
  7. Trippin’ On A Hole In A Paper Heart: para balancear o conjunto que estava tomando leveza, uma canção que rompe com todo o tráfego romântico e traz o "incômodo" peso natural da banda.
  8. Art School Girl: nomeada como a brincadeira do álbum, com a levada mais cool.
  9. Adhesive: uma canção que a princípio aparenta ser leve e densa, mas é no entanto equilibrada e no melhor formato expurga-males.
  10. Ride The Cliché: muito hard para ser Pop. No entanto, muito pop para ser Hard Rock. Um paradoxo musical.
  11. Daisy: instrumental no melhor clima praieiro.
  12. Seven Caged Tigers: para encerrar o conjunto, uma pomposa e alegre canção com todo o costumeiro peso.

Equilibrado?

Sim. Mas a voz de Scott permite que não sejam trabalhos distintos em um único.

starstarstarstar

 


Technorati Marcas: ,

 


Ouvindo... Stone Temple Pilots: Pop’s Love Suicide

 

 

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s