Radar Musical: Quinze

Travis - The Man WhoTravis

The Man Who

[Epic/Independiente, estúdio]


 

E depois de uma parte importante da história musical ser decifrada, agora é hora de voltarmos à (a)normalidade repertorial. Travis é uma dessas excentricidades que arriscamos por motivos diversos.

Como já disse, pura e simplesmente, fiz preferência por este álbum pela linda capa feita numa tundra – como pode ser conferido logo acima – e os álbuns do Travis costumam ter esse trabalho bem feito de imgem que nos faz ficar fascinados e adquirí-lo [claro, salvo algumas limitações financeiras].

Mas, como tem aquele detalhe de ouvir os álbuns mais com o PC que no radinho, aquela atenção que deveríamos focar no álbum fica relegada a segundo plano. Longe da ortodoxilidade do rock – até do mais puxado a pop – este álbum tende mais a algo mais suave que propriamente ao Britpop.

Mas conforme o tempo – e isso se demonstra agora, no momento em que eu escrevi essa resenha – percebemos a magia deste álbum.

Setlist

  1. Writing to Reach You: parece Oasis no princípio, todo mundo diz isso, mas e daí? É Travis mandando bem pra aquecer.
  2. The Fear: uma canção padrão do Britpop apesar do diferencial, suave, coesa e limpa.
  3. As You Are: peso e contrapeso gradualmente distribuídos.
  4. Driftwood: faltava algo acústico… Bem em tempo.
  5. The Last Laugh Of The Laughter: feliz, mas melancólico. Pode?
  6. Turn: uma canção para expurgar males, mas… Dentro desse conceito musical?
  7. Why Does It Always Rain On Me?: forte em emocionar. Suave na harmonia.
  8. Luv: a gaita confere um ar bucólico para toda a composição.
  9. Faixa de destaque She’s So Strange: as minúcias desta canção trazem um diferencial de todo o álbum. A atmosfera é envolvente.
  10. Slide Show: mais uma canção acústica dá o tom para o fim do álbum, calma e serena…
    Mas ao fim de uma grande pausa [que poderia comportar uma outra música tranqüilamente], quem insiste em ouvir até o talo, é surpreendido por uma balada forte, Blue Flashing Light.

É rock? É pop? É o quê?

Simplesmente, um bom álbum, na média.

starstarstar e 1/2


 

Technorati Marcas: ,,

 


 

Ouvindo... Travis: She’s So Strange

 

 

 

 

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: