Cinco Maneiras de Descobrir Se Uma Gestão Municipal Respeita a Cultura

Ou o Potencial Cultural da Cidade


  • A prefeitura dispõe de espaço público para manifestações artísticas?

Se sim, já é um bom começo… Muitos grupos de dança, música e teatro não tem como dispor, nos seus primórdios, condições para pagar espaços privados, ou não possuem termômetro o suficiente para garantir patrocínio sólido e constante para seus trabalhos.

  • Pode-se cobrar um preço simbólico ou popular pelas apresentações em espaços públicos?

Artistas em geral não são exclusivamente artistas. São pessoas que pesam constantemente a carreira artística com outras funções, muitas certas vezes não rentáveis o suficiente. A "desobrigação" que o poder público se exerce sobre o artista independente nada mais é que uma iniciativa oriunda de fora de sua esfera. De pessoas que querem aproveitar-se economicamente locando espaços privados. Caso contrário, o espetáculo não corre. E é isso que uma iniciativa privada suja quer.

  • São promovidos festivais municipais para descoberta de novos talentos?

Afinal, deseja-se uma vitrine melhor do que abrir espaço para novos expoentes, tanto locais quanto de outras localidades? Contar com o pensamento de que o que já tem é o suficiente é infantil. Pessoas saem e entram de grupos por motivos diversos. E nada melhor do que despertar novos candidatos a perpetuar a história artística local.

  • Existem leis patrocinando as atividades culturais, subsidiando os apoios necessários à classe artística e formando infra-estrutura?

Melhor seria se toda a sociedade apoiasse o teatro, a música, a dança, a escrita e outros sem necessidade de cobrar essa atitude. Mas ressaltemos que as artes em geral fomentam outros setores econômicos locais, podendo a cidade entrar em um circuito turístico devido a isso. Talvez um incentivo inicial possa ser o estopim do crescimento de todo um município.

E, o não menos importante:

  • O candidato que já se elegeu – ou que virá a se eleger – desligou o som de suas carreatas próximo a um evento cultural?

Se não o fez, é sinal de que ele está mais é querendo um povo inútil, sem uma semente plantada de sensibilidade artística, para votar nele nas próximas eleições. E na seguinte, e seguinte, seguinte…

E, além do mais, é um desrespeito total ao eleitor a passagem de uma carreata. Seja ele um eleitor cultural, da saúde, da educação, da expansão industrial…


Ouvindo... David Bowie: The Man Who Sold The World

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: