Trigésimo Quinto Fonema

Sob Observações

smile_embaressed Após o contato nada discreto de Vênus, nosso personagem se vê mergulhado em um mar de dúvidas…


E, quando se viu refletindo sobre si mesmo, percebeu que nada em seu entorno o ajudaria, exceto

Sempre que se faça presença da dúvida,
a ausência da fixação se extingüe,
sendo que quando o Sol raia, a Lua mingüe,
a pele se arrepia, frígida.

Riscando o céu a todo vento,
a confiança que ganha terreno,
traz a chuva, depois o tormento,
da exposição da traição e do veneno.

Conduz… Deduz
ao momento em que me expus,
a fixação que sempre aumenta,
dúvida que sempre alenta.

A um passo se reduz
ao que a poetisa dos ventos diz: "Silêncio",
ao pó de giz, silício ou selênio,
da Mãe Gaia ao qual voltar propus.

De qual lugar sempre viria esta voz, a preencher toda a necessidade em poesia, linda e florida, que sempre aliviava o congestionamento idiomático do Autoc?

Seria do grupo dos artistas que estavam a passar pela janela do observatório para o mundo.

Não… Eles não diziam nada… Nem uma palavra…

Mas a beleza das suas acrobacias, o revelar de suas habilidades traziam um senso de paz revigorante à vida do nosso personagem.

Estaria mais perto da verdade que estava a lhe esperar. Sim! Ele sabia disso… Mas ainda não percebia como isso iria mudar em sua vida.

Só precisava investigar mais alguns detalhes cruciais para que ele entedesse tudo aquilo em sua totalidade.


Ouvindo... Heart: If Looks Could Kill

Publicado por Potingatu

Bacharel e Licenciado em Língua Portuguesa (2010-7), FFLCH / FEUSP. Aspirante-a-mestre-acadêmico não-qualificado em Filología e Estudos do Discurso em L. P. (idem, 2017-8). Pesquisador juramentado diante do MCTI de Marcos Pontes e com préstimos ao 🇧🇷. Sigamos!

%d blogueiros gostam disto: