Trigésimo Quinto Fonema

Transformações

smile_omg As necessidades fizeram com que o Auto-crítico não fosse mais o mesmo. Qual é a intenção desse fenômeno?


A expressão do Autoc foi a primeira coisa que modificou-se. A antiga face de preocupação constante, sempre vigilante, desgastada; ganharia cores mais vivas e claras, mas um preço teria que ser pago por isso.

Então, não haveria mais como se expressar por meio de palavras ou olhares. Não haveria mais lábios, e os olhos se resumiriam à função mais primordial deles: enxergar!

Por que o Autoc tornaria-se um palhaço?

"Por que tornei-me algo que não sou?": talvez tenha sido a primeira opinião que ele tenha desenvolvido sem a presença do Exoc?

Uma resposta vem de lugar-nenhum:

Veja o que é a necessidade,
a expressão é importante.
A exposição da sua verdade,
o consentimento do constante.

Tudo é um aprendizado,
feito por um projeto específico,
eu, como você, me modifico,
E lanço mão de um rosto cansado.

Aprenda com a existência,
siga as suas pesquisas,
perceba a sua consistência,
rastros: siga estas pistas.

O que sugeriu ao novo Autoc a necessidade de continuar a rever seus valores acerca de tudo que o cercava. No entanto, tinha a certeza de que não deveria ser amorfo quanto ao que deveria considerar sua conduta.

Logo, tudo aquilo que havia adotado como base, seria sua premissa para prosseguir sua busca por si mesmo, pela sua "verdadeira aparência" e por encontrar o Exo-Crítico.

Um ruído bastante chamativo, talvez, seria a primeira missão de busca por esses valores. O Autoc, encorajado pelas palavras misteriosas, prossegue diante dele…


Ouvindo... Metallica: The Unforgiven II

Publicado por Potingatu

Estudante de Língua Portuguesa e Linguística pela FFLCH - USP (2010-5), entusiasta e experimentador do máximo de artes que for possível.

%d blogueiros gostam disto: