Momento Poesia

De Volta à Vida Normal


"Incluso:
Faço-me distinto
De forma que o instinto
Não se sobreponha à razão

Excuso:
Não faças frente a uma loucura
Se fugir-se-á diante d’um alçapão

Desculpo:
A rosa vermelha deitada na cama
Frondosa, não me engana
Clameja pela minha atenção

Recluso:
Vivo sempre na amargura
Entretida em única compreensão."


Alguém compreende um poema existencial-desestruturalista?
 Doors: The Wasp

Publicado por Potingatu

Estudante de Língua Portuguesa e Linguística pela FFLCH - USP (2010-5), entusiasta e experimentador do máximo de artes que for possível.

%d blogueiros gostam disto: